SlingaBaby®

#sériedequarta – Estudos sobre Babywearing: Mal entendidos comuns – Parte 1

Voltamos com a nossa #sériedequarta, bacana, néah!? Então, como na próxima semana comemoraremos a Semana Internacional de Incentivo ao Sling achei interessante que falássemos sobre o seu uso, sobre os estudos, mal entendidos, indicações. Acredito que vai acrescentar bastante e levar muita informação com intuito de incentivar o slingar cada vez mais. 

Então vem conferir o primeiro post da nossa #sériedequarta, vem!

bbwint

“O post de hoje é da Steffany Kerr, uma expert em Babywearing pela Babywearing International de O’ahu . Steffany tem foco em examinar métodos de uso de carregadores com populações de alto risco e consultoria em babywearing como uma intervenção de bem-estar social.

Como uma educadora de babywearing, muitas vezes eu encontro desinformação ou perguntas sobre pesquisas e estudos na prática de babywearing. Muitas destas questões estão centradas em desenvolver debates sobre as melhores práticas. Durante estes debates, os artigos são citados sem pensar muito sobre se a informação apresentada é de fato relevante para o tema em questão, ou se o conteúdo é confiável, válido e/ou estatisticamente significativo o suficiente para justificar recomendações conclusivas. Além disso, muitas vezes há a suposição de que mais pesquisas e estudos do que sabemos estão disponíveis. Através do meu trabalho como educadora de babywearing com foco no aumento da quantidade e qualidade de estudos estatisticamente relevantes, revisados ​​por pessoas confiáveis e específicas de babywearing, eu gasto muito tempo tentando esclarecer equívocos sobre essas pesquisas e estudos. E o que podemos deduzir à partir da informação que está atualmente disponível.

Nesta série de três partes, eu vou identificar alguns equívocos comuns, esclarecer que tipo de informação está disponível no momento, e ilustrar os esforços que a indústria está tomando para aumentar a quantidade de pesquisas e estudos específicos de babywearing.

Antes de me aprofundar no conteúdo específico de cada estudo, em primeiro lugar gostaria de abordar equívocos comuns: credibilidade de fontes e como mitos sobre um tema podem nos impedir de avançar para criar uma base sólida de evidência para apoiar nossas ações. Para discutir mitos associados com a pesquisa dentro da indústria de babywearing, é importante entender como o ato de pesquisar é definido. Tal como referido por Cresswell (2002):

“Pesquisar é um processo cíclico em etapas, que normalmente começa com a identificação de um problema ou assunto temático. Em seguida, ela envolve a revisão da literatura, a especificação de um propósito para de estudo, coletânea e análise de dados, e formação de uma interpretação da informação. Este processo culmina em um relatório, divulgado para o público, que é avaliado e usado na comunidade educativa.” (p.8).

Com um entendimento comum sobre o que é uma pesquisa, agora podemos determinar como mal-entendidos no processo e nas informações resultantes podem afetar negativamente nossa indústria e nossos objetivos comuns de aumentar a qualidade e a quantidade desses estudos.

Mal-entendidos comuns

“Este Blog diz …”

Em 2015 parece que grande parte da nossa informação resulta de pontos de vista vindos do Facebook, Twitter e Pinterest. 

As fontes de informação como o Huffington Post tomaram precedência como principal fonte de notícias e artigos de blog servem como um recurso de aprendizagem predominante. O que muitos não percebem é que qualquer um pode julgar-se uma autoridade e escrever um artigo no blog com base em sua opinião, e que não importa o quão bem embalada a informação seja, o conteúdo não é sempre apoiado por provas além das experiências do autor. 

Dado que eu estou escrevendo este artigo no blog, eu acredito que esta plataforma pode ser uma forma altamente eficaz para espalhar a informação. Sem um sistema de veto, no entanto, a desinformação se espalha facilmente. Artigos de blog são muitas vezes tomadas por fato, em vez de por aquilo que são: artigos de opinião. Artigos de blog pode apresentar e citar pesquisa, no entanto posts de blogs não são pesquisas. Eles não são artigos científicos, revisados por quem entende do assunto. Eles não foram publicados em revistas acadêmicas, nem revisados ​​por especialistas da disciplina. Muitas vezes, eles não são um resultado da investigação científica. Posts em blogs podem conter muita informação útil e correta, e eles podem até mesmo resumir e destacar os estudos que são relevantes para uma disciplina específica, mas eles não são as pesquisas em si. É importante compreender esta distinção, para que possamos avaliar corretamente o quanto de peso uma artigo deve transportar.

“Alguém deveria fazer um estudo !!!”

Este é um dos meus equívocos comuns favoritos sobre as pesquisas em Babywearing: quando um entusiasta bem-intencionado afirma que alguém deve apenas realizar um estudo. 

Se fosse tão simples como fazer esta declaração, estaríamos enterrados sob uma avalanche de pesquisas. A realidade é que a realização de verdadeiros estudos, estatisticamente significativos é muito desafiadora, cara e demorada. 

Vamos fingir que você é um pesquisador. Antes de qualquer pesquisa começar, você deve projetar um estudo de qualidade que vai resultar em dados úteis. A fim de lançar um estudo, você deve primeiro ser bem conhecido e experiente o suficiente para obter aprovação do Institutional Review Board (IRB), o que garante que o estudo está sendo conduzido de forma ética e não colocando quaisquer indivíduos em risco. Normalmente, você deve ser associado com uma instituição acadêmica ou grande instituição de pesquisa, a fim de obter a aprovação do IRB. Em seguida, você tem que obter financiamento para o estudo, que requer grandes quantidades de tempo dedicados a aplicação de subvenções ou solicitar financiamento privado. Se você é capaz de levantar os fundos necessários, então você vai precisar encontrar pessoas para esse estudo, além de um mecanismo ou equipamento (se necessário), e ter o tempo para se dedicar à realização do estudo. Então, você deve adequadamente analisar e interpretar os resultados do estudo, que requer habilidade e análise de software. 

Você pode realizar estudos sem qualquer uma dessas etapas? Pode! Mas ele pode não resultar em dados suficientes para chegar na etapa final da pesquisa, uma pequena publicação. Para demonstrar que a pesquisa que você realizou adere aos padrões de qualidade e é relevante o suficiente para ser levada a sério por outros pesquisadores, você deve enviar a sua investigação para uma variedade de revistas acadêmicas. 

Este pode ser um desafio para a indústria de práticas de babywearing e educação, porque outras disciplinas não necessariamente reconhecem babywearing como uma prática digna de atenção de pesquisa. Percorremos um longo caminho para espalhar a consciência de babywearing nos últimos anos, no entanto, ainda não somos considerados uma indústria profissionalizada. Como resultado, muitos de nossos pesquisadores atuais luta para conseguir seu trabalho publicado.

Há progressos realizados nesta área, que serão destacados na Parte 3 desta série. Meu ponto em discutir este equívoco comum sobre a investigação agora é para ilustrar que é bastante complicado, demorado, e pode ser caro conduzir o tipo de estudos que precisamos para fornecer uma base sólida de informação sobre nossas práticas como babywearers e educadores de babywearing.

“Este estudo / Fonte diz …”

Sendo uma indústria que não tem um número substancial de estudos específicos de prática, descobrimos que um peso desproporcional é muitas vezes atribuído aos poucos dados que nós temos, mesmo se esses dados vem de um estudo que não aplicou metodologias adequadas ou não tem resultados conclusivos. 

Nós todos temos que começar por algum lado e trabalhar com o que temos, mas é contraproducente para a nossa indústria tirar conclusões mais fortes a partir de um estudo do que de seus resultados. 

Um exemplo comum disso é o International Hip Dysplasia Institute’s Educational Statement do Instituto de Displasia que é frequentemente citado como uma importante fonte de informações sobre posicionamento. Enquanto esta informação é relevante, pode ser enganosa. A declaração do IDHADnão é baseada em qualquer estudo de babywearing real e específico, e sim ele se baseia em provas de disciplinas relacionadas. 

A relevância dos recursos desses estudos serão revistos na Parte 2 desta série de textos, mas é importante ressaltar que uma fonte e / ou um estudo por si só não é suficiente para determinar as melhores práticas. Será necessário realizar estudos específicos em babywearing e esperamos replicar os resultados antes de determinar conclusivamente as melhores práticas. Nesse meio tempo, é necessário recorrer às disciplinas relacionadas e tomar esses estudos relacionados, reconhecendo que eles podem não fornecer-nos a quantidade de evidências de que precisamos.

Babywearing continua a ganhar popularidade, e junto com atenção da mídia vem o aumento de fontes. Como alguém que gasta muito tempo lidando com conceitos errados sobre a pesquisa entre colegas educadores de babywearing e na população em geral, eu sinto a necessidade de abordar estes mitos para que possamos estar juntos como uma indústria, bem informada sobre os nossos atuais obstáculos e metas para a continuidade da profissionalização. Huck (2008) afirma: 

“Os leitores de pesquisas deve estar atentos para reclamações injustificadas de validade e para os casos em que a questão da validade não sequer abordada.” (94). 

Ser capaz de analisar completamente a credibilidade de nossas fontes e avaliar a qualidade e relevância irá inerentemente aumentar a nossa capacidade para promover práticas baseadas em evidências. Identificar equívocos comuns sobre a informação que temos disponível dentro da indústria de babywearing nos permite determinar métodos eficazes para avançar com a criação de uma base de investigação mais específica no futuro.”

Post Original de Babywearing International
Em tradução livre pela Sampa Sling
Anúncios

Comente...compartilhe suas ideias também!!! E lembre-se: Comentar não dói e faz uma blogueira feliz!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s