Maternidade

Maria Flor, a comedora de presilhas!

Achou o título inacreditável? Mas é verdade! Na última sexta feira (16/12) a caçula dessa casa fez o favor de engolir uma presilha de cabelo, daquelas que a gente chama de “tic-tac”, sabe? Era grande e de metal. Já era umas 21h e nem cogitei a possibilidade de sair de casa aquela hora pra levar a criança, de dois anos e nove meses, à um pronto atendimento por motivo de “tava tarde e não tinha muito o que fazer depois de engolido”.

Mas #comassim, Vanessa?

15578765_10202560240322859_4431704654450869292_n
Assim ó! hahahahaha Nesse Raio X a presilha já estava no intestino, prestes à sair. 

Vou contar tudinho desde o princípio.

Depois de colocar as três crianças na cama, o que já é uma romaria sem fim, vim pra sala pra resolver minhas coisas e estava toda envolvida quando ouvi a Maria Flor, a caçula, “forçando” uma tosse e fazendo vômito, corri porque néah?! Não tava afim de ter que limpar vômito de criança que brinca de tossir (sim, eles brincam de forçar a tosse…é tipo um experimento pra, eu acho), quando cheguei no quarto ela estava sentadinha na cama e já soltei logo o “filha, porque você tá tossindo, você vai vomitar o leitinho?!”, e ela só respondeu “mãe, eu goli o tic tac da Sossô” (Sossô=Sophia=irmã mais velha).

Na hora sentei ao lado dela e fui conversando pra ela me contar como tinha sido, não forcei o vômito porque sei que nessas situações isso pode piorar o quadro, apenas sentei pra avaliar como ela estava e ouvir o que tinha acontecido. À essa altura ela já não estava mais tossindo e nem fazendo vômito, o que me deixou bem tranquila, porque significava que ela não tinha aspirado a presilha, néah?! E, vamo combiná, tudo que entra, tende à sair…hahahahahahahaha. Ela foi me contando, na linguagem dela, é óbvio, mas de uma forma que deixava claro que ela tinha mesmo engolido e eu podia acreditar nela. (ps: crianças falam, você só precisa aprender a ouvir)

Dei uma sapeada na internet, Dr. Google, e mandei uma mensagem pro pediatra dela que me respondeu bem rápido, me acalmando mais ainda e me instruindo à esperar que a presilha saísse nas fezes e, se não saísse até na segunda (3 dias após), que fizesse um raio X. Assim fizemos. Observamos TODAS as fezes do final de semana, como se fossemos especialistas no caso,  inclusive nos tornamos especialistas nesse tipo de caso, eu acho.

Não tinha presilha nenhuma em nenhuma das fraldas trocadas e nós duas quase pagamos de loucas na história, porque todo mundo achava improvável que ela tivesse engolido mesmo.

Na segunda (19/12) levamos ela ao pronto atendimento, como o pediatra havia instruído, a atendente que faz o rastreamento ficou “loka na ropa” com a situação e eu ri, néah!? Mas enfim, o pediatra de plantão nos atendeu, tão calmo quanto a gente, nos encaminhou para o raio X, que foi o único inconveniente em toda a situação, mas por ele foi possível verificar que a presilha já estava “pra sair” e eu só conseguia pensar “tá vendo, nem precisava ter vindo, podia ter esperado mais um dia”, me julguem.

Quase todo mundo que ouvia a história falava que no meu lugar teria levado a criança no hospital na hora, que isso é muito perigoso, que crianças morrem por causa disso, e a cada comentário desses ou do tipo “nossa, mas você é muito calma, néah?!” eu me sentia meio que uma “menas main”, sabe?! Confesso que isso não me incomodou, só ficou essa impressão de #menasmain mesmo, parece que quando uma mãe tem confiança no que está fazendo, que é segura, que consegue manter a sanidade, é vista como calma demais ou até mesmo displicente. 

Gente, aqui nós temos três crianças e passo o dia todo por conta delas, 24h totalmente dedicadas à elas, se eu fosse me desesperar a cada “arte” que eles fazem já teria enlouquecido, porque crianças fazem essas coisas e é preciso manter a calma.

É preciso manter a calma quando uma criança tem febre, quando uma criança cai, machuca o rosto e você só vê sangue, quando uma criança fica doente, quando uma criança enfia algo no nariz, ou engole alguma coisa, quando ela não pára de vomitar, é óbvio que às vezes é preciso “correr” pro hospital mesmo, mas na maioria dos casos ficar quietinho com a criança, dando assistência já é suficiente, as crianças são muito mais resistentes do que a gente imagina.

Só mais algumas observações á respeito do caso:

  • confesso que em alguns poucos momentos senti medo, mas conversava comigo mesmo e me acalmava, sabia que nada de ruim aconteceria porque estava ciente de que ela só tinha engolido e tinha conhecimento suficiente sobre o que estava acontecendo, não fiz nada “no escuro”. 
  • é preciso ter muita atenção, nem todo caso é tão simples assim, se a criança aspirar alguma coisa é INDISPENSÁVEL correr com ela pra um pronto atendimento, casos de aspiração são seríssimos. Pra saber se ouve aspiração é só reparar na respiração da criança.
  • não pode fazer manobra pra criança “botar pra fora” depois de ter engolido, essas manobras podem levar à aspiração. Engoliu? Deixa quieto e entra em contato com o médico de confiança. 
  • a calma é indispensável, até mesmo nos casos mais graves, se você se desespera a criança também vai se desesperar e daí todo mundo perde o controle. 
  • outro ponto importante é ouvir a criança, acreditar na criança, ouvir dela como aconteceu pra saber como proceder. Crianças falam, é só observar o que elas dizem, ainda que seja só com gestos. 
  • sobre as “dicas de segurança” para quando se tem filhos preciso te contar uma verdade, elas são muito bunitinhas no planejamento, mas nem sempre vão funcionar ou ser suficientes, às vezes a crianças vai descobrir uma tomada sem protetor, um preguinho que caiu de uma estante, a presilha da irmã mais velha, uma sementinha que cabe no buraquinho do nariz, e tantas outras coisas.

Na maternidade é preciso relaxar um pouco, saber que a maioria das situações vai dar certo, mas, infelizmente, algumas fatalidades podem acontecer. Não tenha tanto medo da vida e nem dê tanta importância àquilo que você não pode controlar, não tente ter tudo sobre controle, para que quando as coisas saírem fora do seu alcance você não surte ou não se sinta a pior mãe do mundo!

Anúncios

Comente...compartilhe suas ideias também!!! E lembre-se: Comentar não dói e faz uma blogueira feliz!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s